Vice de futebol do Flamengo sai em defesa de Jorge Jesus: “O que estão fazendo é covardia”

Um dia depois de o comandante rubro-negro dar declarações fortes em coletiva, Marcos Braz dá guarida e exalta trabalho do treinador português

Jorge Jesus foi para a entrevista coletiva depois da vitória por 1 a 0 sobre o Grêmio, neste domingo, em Porto Alegre, de peito aberto e desabafou com declarações fortes para rebater críticas e questionamentos que ouve por parte de treinadores e jornalistas no debate sobre a atuação do técnico estrangeiro no Brasil. O treinador não está sozinho nessa cruzada e teve o apoio do vice-presidente de futebol do Flamengo, Marcos Braz.

Principal responsável pela contratação de Jesus, Braz saiu em defesa do seu treinador.O dirigente também foi direto e com declarações fortes sobre o assunto.

– É sacanagem o que estão fazendo com Jesus, covardia. Um cara correto, que não precisa de empresários para colocar ele nesse ou naquele time. Treinador vitorioso, que respeita todos os profissionais, tem um staff super correto também. Um grande profissional, que está sendo alvo, virou moda questionar o trabalho dele. O processo é natural, globalizado, e não só com técnico de futebol. Tem ator brasileiro que vai trabalhar em Portugal, e de Portugal vem pra cá, jornalistas saem daqui para trabalhar no exterior, e outros de fora vêm trabalhar aqui. Por que essa onda toda em cima do Jesus?! O sucesso parece incomodar – declarou Marcos Braz ao GloboEsporte.com.

Neto de avós portugueses, e filho de uma portuguesa que veio para o Brasil aos quatro anos de idade, Braz lembra que o país sempre teve fama de acolhedor. Mas, segundo ele, declarações de técnicos e ex-treinadores que viraram comentaristas em relação a Jesus fazem o Brasil parecer um terreno hostil ao treinador lusitano.

– Jorge é um grande profissional, mostra isso no dia a dia, só perguntar para todos que trabalham com ele. Que onda é essa de perseguição ao treinador?! Falam demais em vez de procurarem absorver um pouco de conhecimento com ele – completou Braz.

– Vim para o Brasil, sou um treinador como eles. Não vim tirar lugar de ninguém. Não vim ensinar a ninguém. Não sou melhor nem pior do que ninguém. Queria lembrar aos meus colegas que em Portugal já trabalhou um brasileiro, o Scolari. Ele é acarinhado pelos portugueses. Assim como Autuori, René Simões, Abel… e muitos outros.