Temer usou R$ 15 bilhA�es para obter vitA?ria em comissA?o da CA?mara

No momento em que o governo enfrenta um rombo nas contas pA?blicas e a estimativa de o dA�ficit primA?rio ultrapassar a meta fiscal fixada para este ano, o presidente Michel Temer concentrou, sA? nas duas A?ltimas semanas, o anA?ncio de programas e liberaA�A�es de verbas que chegam a R$ 15,3 bilhA�es para estados e municA�pios, num aceno a parlamentares da base aliada. A concentraA�A?o desse pacote de bondades aconteceu em uma semana decisiva para selar o futuro de Temer na ComissA?o de ConstituiA�A?o e JustiA�a (CCJ) da CA?mara.

O esforA�o concentrado deu certo: Temer virou um jogo que parecia perdido e saiu vitorioso com a rejeiA�A?o ao parecer que recomendava a continuidade das investigaA�A�es contra ele, e a aprovaA�A?o de um outro relatA?rio, do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), pelo arquivamento da denA?ncia. A batalha final estA? marcada para 2 de agosto, no plenA?rio da CA?mara.

> Veja cobertura da crise polA�tica

AlA�m de programas novos, o governo acelerou o empenho das emendas parlamentares de deputados federais. Levantamento da Rede mostrou que, nos A?ltimos 15 dias, foi empenhado um total de R$ 1,9 bilhA?o, valor prA?ximo ao que havia sido processado desde o comeA�o do ano atA� 6 de junho, que foi R$ 1,8 bilhA?o.

Em maio, segundo o mapeamento da Rede, foram R$ 89,4 milhA�es; em junho, R$ 1,8 bilhA?o, justamente no mA?s em que a situaA�A?o polA�tica de Temer se agravou.

“As emendas hoje sA?o impositivas. O governo tem o dever de liberA?-las”, defendeu-se o chefe da Casa Civil, ministro Eliseu Padilha.

Na A?ltima quarta-feira, o presidente Temer anunciou a quantia de R$ 11,7 bilhA�es em linhas de crA�dito para obras de infraestrutura como iluminaA�A?o pA?blica, saneamento e gestA?o de resA�duos sA?lidos. JA? na quinta-feira, decidiu realocar R$ 1,7 bilhA?o em recursos para a SaA?de, destinados para compra de ambulA?ncias e gastos na atenA�A?o bA?sica em 1.787 municA�pios. Antes, na terA�a-feira, anunciara R$ 103 bilhA�es de recursos do Banco do Brasil para o Plano Safra 2017/2018, que jA? havia sido lanA�ado oficialmente no inA�cio do mA?s, com o valor de R$ 190 bilhA�es.

O PSOL apresentarA? nos prA?ximos dias uma representaA�A?o ao MinistA�rio PA?blico por corrupA�A?o ativa, desvio de finalidade e obstruA�A?o A� JustiA�a. O partido mapeia o volume de liberaA�A?o de emendas recebidas pelos deputados que votaram a favor do governo para traA�ar uma relaA�A?o direta entre o favorecimento e o voto.

“NA?o A� normal o deputado receber verba para votar a favor do governo. A� o fisiologismo no poder”, acusa Chico Alencar (PSOL-RJ).

Os aliados do governo, no entanto, veem com naturalidade essa operaA�A?o. O lA�der do DEM, deputado Efraim Filho (PB), diz que A� papel do parlamentar levar investimentos para sua cidade por meio de emendas.

“O governo estA? investindo nos municA�pios, nA?o estA? dando dinheiro na mA?o dos deputados. O parlamentar que leva investimento para sua cidade estA? cumprindo o papel dele. Feio era o que o PT fazia no mensalA?o, que trocava dinheiro por voto”, comparou.

Segundo levantamento feito pelo GLOBO, de janeiro a junho deste ano, Temer anunciou investimentos de aproximadamente R$ 96 bilhA�es. SA? em dois dias, o presidente liberou quase um sexto do valor total dos A?ltimos meses, sem considerar os R$ 190 bilhA�es do Plano Safra, cuja liberaA�A?o A� obrigatA?ria.

O levantamento levou em consideraA�A?o apenas verbas especA�ficas anunciadas em cerimA?nias. Houve outros anA?ncios de investimentos nesse perA�odo, sem valor estimado, que nA?o foram contabilizados pela reportagem.

Confrontado com a possibilidade de ser afastado do cargo, Temer sancionou uma Medida ProvisA?ria (MP) que altera a legislaA�A?o da reforma agrA?ria e que, segundo ambientalistas, pode facilitar a grilagem em A?reas da AmazA?nia. A MP poderia ser sancionada atA� a prA?xima terA�a-feira, mas a sanA�A?o foi antecipada para o inA�cio dessa semana, antes da votaA�A?o da CCJ.

Nos A?ltimos dias, ministros e presidentes de estatais se revezaram no pA?lpito montado no PalA?cio para rasgar elogios ao presidente, denunciado por corrupA�A?o passiva e investigado no Supremo Tribunal Federal tambA�m por organizaA�A?o criminosa e obstruA�A?o A� JustiA�a. Na quarta-feira, a cerimA?nia que liberou R$ 11,7 bilhA�es para infraestrutura teve nada menos do que dez discursos, todos enaltecendo a gestA?o Temer. No dia seguinte, em outro evento de agenda positiva, no qual anunciou R$ 1,7 bilhA?o para a SaA?de, o ministro da pasta, Ricardo Barros, fez a mesura:

“Por ter optado pelo reconhecimento e nA?o pela popularidade, o Brasil vai lhe agradecer”.

A apresentaA�A?o de Barros, com 70 telas, homenageava Temer diretamente, em trechos como a�?Medida ProvisA?ria do presidente Temer permitiu adequar oferta da penicilina no combate A� sA�filisa�?, a�?Presidente Michel Temer anunciou renovaA�A?o da frota do Samu para todo o paA�sa�? e a�?Presidente da RepA?blica comandou pessoalmente lanA�amento da campanha Sexta Sem Mosquitoa�?. Temer devolveu os elogios: chamou o ministro de a�?mA�dico honorA?rio e prefeito honorA?rioa�?, alA�m de ter dito que seu sonho A� zerar filas de hospitais atA� o ano que vem.

O prA?prio presidente caprichou nos autoelogios.

a�� Tudo isso A� feito em 14 meses de governo. A� um trabalho que demandaria quatro anos, oito anos. Estamos fazendo oito anos em 14 meses a�� declarou, na cerimA?nia com Barros, parafraseando o ex-presidente Juscelino Kubitschek, que tinha como mote de governo a�?50 anos em cinco (1956 a 1961)a�?.

Temer ressaltou que foi chamado de a�?muito corajosoa�? por parlamentares.

a�� De vez em quanto os colegas do Parlamento dizem: a�?VocA? A� muito corajoso, porque enfrentou questA�es como a reforma trabalhista, do Ensino MA�dio, questA�es de SaA?de, que outros tantos nA?o foram capazes de enfrentara�? E penso o seguinte: mais do que coragem, nA?s tivemos ousadia.

Fonte Gazeta Online

COMPARTILHAR