Suspeita de irregularidades em Barra de São Francisco

O prefeito Alencar Marim (PT) foi denunciado por suspeita de irregularidades em processo licitatório. A denúncia, assinada por sete vereadores do município, foi encaminhada ao Tribunal de Contas do Espírito Santo e ao Ministério Público. Assinam a denúncia os vereadores Admilson Ribeiro, Emerson Lima, Huander Cleidy, Juvenal Calixto, Paulo Roberto dos Reis, Wilson Pinto e Zirene Surdini.

Na representação os vereadores argumentam que existem indícios de irregularidades no processo referente ao Pregão Presencial no 026/2017, cujo objetivo foi a contratação de empresa para “prestação de serviços de portaria, limpeza e conservação visando atender diversos setores da prefeitura Municipal de Barra de São Francisco, bem como para preparo e distribuição de alimentação escolar para atender às unidades de ensino da Secretaria Municipal de Educação”.

O que chama a atenção é o fato da empresa vencedora da licitação, RT Empreendimentos e Serviços, já ser investigada por suspeitas de irregularidades em processos licitatórios em outros municípios capixabas.

O que motivou a denúncia feita pelos vereadores foi a falta de transparência no processo. O prefeito perdeu o apoio de parte da sua base de sustentação e se as irregularidades forem encontradas já existe um número suficiente de vereadores para se abrir um CPI. O motivo alegado por alguns vereadores é que o prefeito está ficando isolado por conta do seu temperamento difícil e de pouco diálogo.

Alencar teve uma votação história e mesmo assim não está administrando município da forma como a população merece e não está cumprindo nada do seu plano de governo de campanha política.

Entenda o caso

O proprietário da empresa RT Empreendimentos e Serviços foi preso durante a segunda fase da Operação Varredura. Acusado pelo Ministério Público Estadual de fazer parte de um grupo de empresários suspeitos de golpes em contratos emergenciais. No processo que responde em liberdade está sendo apurada a prática de crimes de corrupção ativa e passiva, peculato, formação de quadrilha, fraude à licitação, tráfico de influência, dentre outros. O dono da empresa que presta serviço em Barra de São Francisco também é suspeito, segundo o MPES, de prática de crimes contra a Prefeitura de São Matheus e Porto Belo.

O prefeito de Itaguaçu, município que também possui contrato com a empresa investigada, pediu a assessoria técnica da prefeitura revisão no contrato depois que irregularidades foram divulgadas pela imprensa.

Os vereadores de Barra de São Francisco pedem que o processo licitatório no município, vencido pela empresa envolvida na denúncia, seja investigado e se possíveis irregularidades forem encontradas, os possíveis envolvidos sejam investigados. Mesmo com as denúncias envolvendo o dono da empresa, o prefeito de Barra de São Francisco não atendeu ao pedido dos vereadores para suspender o contrato até que as dúvidas sejam sanadas.

Fonte:Realidade Capixaba

COMPARTILHAR