Por não aceitar relacionamento, jovem armado tenta matar namorada do pai e acaba ferido

De acordo com o relato pai, a motivação do crime seria a ex-companheira, mãe do rapaz, que não aceitou o fim do relacionamento do casal

Uma discussão entre pai e filho quase acabou em morte na tarde de sábado (08), no bairro Campo Verde, em Viana. O rapaz de 18 anos é suspeito de tentar matar a namorada do pai por não aceitar o novo relacionamento dele com a cabeleireira, de 45 anos.

O pai, um pedreiro de 54 anos, contou que a tentativa de homicídio aconteceu por volta das 13h, quando ele e a namorada haviam terminado de almoçar e estavam descansando.

“Foi por volta deste horário que eu escutei um barulho, resolvi levantar e vi meu filho armado do lado de fora da casa. Fui perguntar o que ele pretendia e acabamos discutindo. Alterado, ele disparou em direção ao quarto onde minha atual mulher estava. Por sorte, ela conseguiu se esconder e não foi atingida”, contou.

Ainda assustado, o pedreiro disse que precisou golpear o filho com o cabo de madeira de uma enxada para impedir que o pior acontecesse.  “Eu precisei golpear ele com o cabo da enxada. Após as agressões, fiquei sabendo que o golpe atingiu o olho dele e por isso ele segue internado no Hospital São Lucas, em Vitória, sob escolta policial”, disse o pai do rapaz.

Para a namorada do pedreiro, tudo que ele fez foi com intuito de defendê-la. “Ele me defendeu como pôde. Enfrentou o filho armado, tentou deter ele para que eu não fosse morta. Ele foi um herói”, contou.

Com medo, ela disse que comprou a casa há poucos dias para morar com os quatro filhos e o namorado. No entanto, depois desta tentativa de homicídio, ela está de mudança e não pretende conviver perto dos familiares do atual companheiro.

O pai do suspeito disse que vai lutar por justiça, mesmo que o agressor seja o próprio filho. “Não é justo não correr atrás da justiça! Ele errou e eu não vou acoitar um erro desse. É meu filho, mas ele deve pagar”. desabafou o pedreiro.

Por meio de nota a Polícia Civil informou que até o momento ninguém foi detido. O caso seguirá sob investigação da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM), e outras informações não serão passadas, no momento, para não atrapalhar o andamento das investigações.

FONTE: FOLHA VITÓRIA