Médicos questionam informações sobre suposto tratamento de Michael Schumacher

Segundo jornal francês “Le Parisien”, heptacampeão mundial de Fórmula 1 teria dado entrada em hospital de Paris para fazer experimentos com células-tronco e até estaria consciente

O suposto tratamento experimental ao qual Michael Schumacher estaria sendo submetido, com a injeção de células-tronco, foi questionado por médicos ingleses. Acidentado em dezembro de 2013, o heptacampeão da F1 teve graves lesões cerebrais e pouco se soube oficialmente desde então. Nesta semana, o jornal “Le Parisien” informou que Schumi, de 50 anos, teria dado entrada num hospital de Paris para receber o tal tratamento, mas nada foi confirmado. Ao jornal Daily Express, a diretora do Centro de Pesquisa sobre Coma do Instituto Neurológico de Milão (Itália), Matilde Leonardi, se mostrou muito cética.

– Não há tratamento experimental com células-tronco que tenha um efeito positivo para pacientes em estado de consciência mínima como Michael Schumacher. As notícias divulgadas sobre o ex-piloto estão apenas alimentando falsas esperanças e iludindo as famílias dos pacientes. Ontem de manhã recebi duas ligações telefônicas de parentes de dois pacientes que queriam informações para permitir que seus filhos acessassem o mesmo tratamento. Eu me vi explicando que não sabemos nada sobre a existência desse tratamento – disse a médica.

Para Leonardi, existe uma precipitação em relação aos tratamentos com células-tronco, e que ainda não é possível confiar numa solução de problemas neurológicos e de medula com esse tipo de abordagem:

– Todos esperamos que sim, mas a verdade é que (o tratamento) não existe, pelo menos por enquanto. Infelizmente, estudos conduzidos com células-tronco para doenças que afetam o cérebro e a medula não deram os efeitos esperados.

Já o professor Brendon Noble, da Fundação Britânica de Células-Tronco, não acredita que o eventual tratamento divulgado tenha a ver com as lesões neurológicas, mas, na melhor das hipóteses, para tratar de alguma outra infecção.

– Eu acho que é improvável, porque foi há muito tempo. A menos que tenha havido algumas complicações. Parece improvável para mim. Mas eu definitivamente não descarto isso. Nós simplesmente não sabemos – disse ele ao “Daily Mirror”.

Por fim, o cirurgião ortopédico da Clínica Regenerativa de Londres, Nima Heidari, caso o tratamento divulgado seja verdadeiro, dificilmente seria aprovado no Reino Unido dada a tramitação demorada.

– Tem que haver evidência suficiente para que ele obtenha o selo de aprovação. Conseguir esse selo de aprovação às vezes requer uma quantidade enorme de investimentos – comentou.

Especulações de visitas

Segundo especulações da mídia inglesa, Schumacher teria sido visitado pelos ex-pilotos franceses Alain Prost e Jean Alesi, além do presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Jean Todt, chefe do alemão na fase gloriosa na Ferrari.

No entanto, nenhum desses personagens se pronunciou sobre alguma eventual visita a Schumacher em Paris. Destes, o único que mantém contato regular com o heptacampeão é Todt, que já relatou ter assistido a algumas corridas com Schumi.

Fonte: Ge