INSS: quem pede aposentadoria deve conferir valor do benefA�cio

CA?lculo do INSS pode estar errado e aposentado receber menos do que deve se dados no Cadastro Nacional de In formaA�A�es Sociais estiverem incorretos.

Os brasileiros que vA?o solicitar a aposentadoria devem conferir se o valor concedido pelo INSSA�(Instituto Nacional do Seguro Social) estA? correto. Especialistas ouvidos pelo A�R7A�afirmam que a ausA?ncia ou erros nos dados cadastrais podem impactar no valor da aposentadoria.

A advogada especialista em direito previdenciA?rio Sara Quental explica que o INSS determina o valor da aposentadoria de acordo com os dados do beneficiA?rio presentes no Cnis (Cadastro Nacional de InformaA�A�es Sociais).

Aposentados jA? podem consultar informe de rendimentos no INSS

O Cnis A� o sistema que compila todos os dados de contribuiA�A?o. SA?o registrados dados como o tempo de contribuiA�A?o, o valor descontado do salA?rio para o INSS e nome do empregador.A�Quando os dados estA?o incompletos, as chances da aposentadoria estar errada aumentam.

a�� A� importante que a pessoa faA�a uma anA?lise [com um advogado] para saber se a aposentadoria estA? correta.

O advogado especialista em direito trabalhista e previdenciA?rio Luiz Fernando Plens Quevedo concorda que A� importante analisar os dados presentes no Cnis. Segundo ele, A� importante juntar provas para solicitar a correA�A?o do benefA�cio.

a�� [O beneficiA?rio] deve verificar o nA�vel de erro e ter informaA�A�es para comprovar o erro. As informaA�A�es da carteira de trabalho sA?o essenciais para fazer o acerto.

Quando o INSS apresenta o valor que o segurado irA? receber mensalmente, ele pode aceitar ou nA?o, caso identifique que A� inferior ao que tem direito. Para Sara, o beneficiA?rio sA? deve aceitar o valor quando estiver correto.

a�� Se ele receber o primeiro mA?s, nA?o tem como renunciar aquele benefA�cio. Somente pedir revisA?o.

Quevedo afirma que quando hA? pedido de revisA?o da aposentadoria, o processo tende a ficar mais demorado. O advogado diz que a vantagem desta situaA�A?o A� que o aposentado jA? recebe um valor mensal, mas o pedido de revisA?o exigirA? um processo mais burocrA?tico e poderA? terminar na justiA�a, fazendo com que a pessoa tenha gastos como honorA?rios advocatA�cios.

a�� Os passos para consertar o erro aumentam. NA?o hA? um efetivo interesse em dar celeridade a esses processos.

Como resolver o erro

Para fazer o cadastro, o primeiro passo A� entrar no siteA�Meu Inss. LA?, o beneficiA?rio precisa informar o CPF, nome completo, data e local de nascimento e nome da mA?e para gerar um cA?digo de acesso provisA?rio. Depois, o segurado deve fazer login, com a senha provisA?ria.

Logo em seguida aparecerA? um campo para que o cidadA?o crie sua prA?pria senha. Em caso de dA?vidas, A� possA�vel ligar para a Central 135. Ao entrar no sistema, o cidadA?o deve acessar o botA?o “Extrato PrevidenciA?rio” para conferir os dados cadastrais.

Assim que o beneficiA?rio identificar o erro, deve juntar todos os documentos que comprovem as inconsistA?ncias no cadastro, como a carteira de trabalho.

A assessoria de imprensa do INSS explica que hA? dois tipos de erros no sistema: na atualizaA�A?o dos “dados nA?o crA�ticos”, como endereA�o e telefone, e dos “dados crA�ticos”, que sA?o nome, nome da mA?e, entre outros. O primeiro deles pode ser corrigido por meio de uma ligaA�A?o A� Central de Atendimento 135.

Os erros crA�ticos devem ser corrigidos diretamente em uma agA?ncia do INSS. O cadastrado deve fazer um agendamento por meio do Meu Inss emA�a�?Agendamentos/Requerimentosa�� e, logo em seguida, a�?AtualizaA�A?o de InformaA�A�es PrevidenciA?riasa�� a�� a�?AtualizaA�A?o de Cadastroa��.

Segundo o INSS, parcerias estA?o sendo feitas para que o sistema de concessA?o de aposentadorias fique mais moderno e reconheA�a os direitos dos brasileiros. O presidente do Instituto, Francisco Lopes, diz que A� preciso ter cautela, devido ao tamanho da base de dados do INSS.

a�� A implementaA�A?o de novas tecnologias, quando se fala em INSS, precisa sempre ser tomada com muita cautela pois hA? mais de um bilhA?o de informaA�A�es sigilosas nos bancos de dados do INSS, algumas com atA� 40 anos de existA?ncia. AlA�m disso, estamos em meio a era da transiA�A?o tecnolA?gica, pois embora, a cada ano mais e mais pessoas estejam sendo integradas ao mundo digital, hA? ainda uma parte significativa dos segurados que ainda nA?o estA?o familiarizados com o universo digital.

Fonte:R7

COMPARTILHAR