Idoso de 90 anos é carregado no colo até banco para receber aposentadoria e morre no dia seguinte

Ele estava com a saúde debilitada, e sua aposentaria estava retida

Vilson Sátiro Bitencourt de 90 anos, teve que ser carregado no colo até uma agência bancária para provar que estava vivo e receber a aposentadoria, no valor de R$ 998. Ele estava com o benefício retido no banco, e a orientação de levá-lo até lá, teria vindo do próprio banco. O caso aconteceu na segunda-feira (1), no município de Lapa, na região metropolitana de Curitiba.

Nas redes sociais, a filha de Bitencourt conta que foi até a agência bancária tentar receber os R$ 998 da aposentadoria do pai, mas que ouviu de um funcionário que o benefício estava bloqueado e que o pai teria que fazer a prova de vida, exigida pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Ela contou que o idoso teria sido levado de carro de sua casa, na zona rural da cidade, até o banco. Depois, foi carregado no colo do carro até o interior da agência. O benefício foi liberado na terça-feira (2), mas com a saúde debilitada, com pneumonia, Bitencourt teve uma parada cardíaca e morreu no mesmo dia.

A prova de vida é obrigatória para todos os beneficiários do INSS que recebem por conta corrente, conta poupança ou cartão magnético. Para fazer a prova de vida, isto é, para comprovar que está vivo, os segurados do INSS devem comparecer anualmente a uma agência do banco. É preciso capturar a biometria do beneficiário e digitar uma senha. Por isso, o procedimento deve ser feito dentro da agência.

FONTE: FOLHA VITÓRIA