Felipão, de novo, defende Felipe Melo. Situação constrangedora

O treinador não viu nada demais na infantil expulsão de Felipe Melo contra o Grêmio. Foi o 56º cartão que o jogador tomou desde que chegou em 2017

Quando cheguei aos vestiários e vi, achei bem rigoroso (o segundo amarelo). Existiram faltas que jogadores do Palmeiras e do Grêmio cometeram muito mais fortes e não teve amarelo.

“Quando acabou o jogo, o árbitro me chamou, vim conversar com ele. Ele falou que eu fui um senhor muito educado.

“Achei muito rigoroso.”

Estas foram as explicações de Felipe Melo, após sua expulsão infantil, em Porto Alegre.

E que atrapalhou o Palmeiras, na luta pela semifinal da Libertadores.

O time sofreu um sufoco desnecessário, desde a sua expulsão aos 30 minutos do segundo tempo, depois de uma entrada tão dura quanto boba em Luciano.

Tomou o cartão vermelho e desabou, chorando no gramado.

“Quando a torcida canta “Libertadores, minha obsessão”, ela passa isso para os jogadores, queremos muito vencer a competição.

“Homem chora, homem chora. Quando deixamos a equipe com um a menos, ficamos tristes”, disse, para justificar as lágrimas.

Luiz Felipe Scolari tomou com o volante a mesma atitude que está acostumado.

Fez de conta que nada aconteceu.

“Quando temos que cobrar do Felipe Melo cobramos internamente. Hoje, na minha opinião, não vou cobrar a mais do que o normal porque uma das faltas não era para amarelo. Hoje posso dizer que não tenho o que cobrar dele mais do que algumas vezes.

“As faltas do Felipe Melo para dois cartões… Quem sabe uma só. As duas foram um pouco forjadas. Uma das faltas, para mim, não existiu ou não era para cartão.

“O Kannemann tem cartão e agarra todo jogo, todo jogo ele agarra o adversário. Nada acontece. O árbitro disse ao Felipe Melo que foi um cavalheiro como se comportou, se portou muito bem.”

E assim, sem punição, cobrança mais forte, o volante de 36 anos, recordista de cartões na história do Palmeiras, alcançou 56 cartões desde 2017, quando foi contratado.

Dá uma média de quase um cartão a cada duas partidas.

Ele já está fora do fundamental segundo jogo das quartas da Libertadores contra o Grêmio no Pacaembu.

Cabe uma pergunta importante.

É bom ou ruim para o Palmeiras?

Fonte: R7