Exército da Venezuela entra em confronto com manifestantes na fronteira com o Brasil

O exército venezuelano e manifestantes voltaram a entrar em confronto na fronteira entre o Brasil e a Venezuela, em Pacaraima (RR), na tarde deste domingo (24). Os manifestantes jogaram pedras contra a Guarda Nacional Bolivariana, que respondeu com bombas de gás lacrimogêneo. Pouco depois, a Força Nacional do Brasil fez uma barreira de contenção para impedir o avanço dos manifestantes e interromper o confronto.

Veículos da Força Nacional e homens da Polícia Rodoviária Federal chegaram à fronteira por volta das 14h50, após o início dos conflitos. Foi a primeira vez que a Força Nacional foi acionada desde o fechamento da fronteira.

Pouco depois, as forças de segurança do Brasil fizeram a barreira de contenção a cerca de 50 metros da fronteira com a Venezuela. Após o estabelecimento desta contenção, os blindados venezuelanos recuaram.

Segundo o coronel do Exército brasileiro José Jacaúna, a contenção deve permanecer no local até que a tensão acabe. Ele reforçou que essa barreira não significa que a fronteira foi fechada pelo Brasil. “A contenção é para evitar confrontos e assim garantir a integridade física de todo mundo que está aqui”, afirmou o coronel.

Em nota, o Ministério da Defesa afirmou que “militares brasileiros e venezuelanos negociaram, no local, e foi entendida a inconveniência da presença desse tipo de aparato militar”. No texto, o Ministério escreveu que “no lado brasileiro, o controle dos acolhidos foi reforçado para evitar novos confrontos” e que a fronteira brasileira segue aberta para acolher refugiados.

Resumo do domingo (24)

  • As fronteiras da Venezuela com o Brasil e a Colômbia amanheceram fechadas por decisão do governo de Maduro

  • A Colômbia fechou na madrugada parte da fronteira com a Venezuela para ‘avaliar danos’. A previsão é que siga fechada até segunda (25)

  • Manifestantes voltaram a entrar em confronto com militares venezuelanos na fronteira do Brasil com a Venezuela. Os manifestantes jogaram pedras contra o exército venezuelano, que revidou com bombas de gás lacrimogêneo

  • Após o conflito, as forças de segurança do Brasil fizeram uma “área de contenção” para manter os manifestantes afastados

  • Duas ambulância com mais três feridos entrou em território brasileiro por Pacaraima (RR)

  • Três militares venezuelanos desertaram pela fronteira entre Brasil e Venezuela em Pacaraima (RR)

  • Em nota divulgada pelo Itamaraty, o governo brasileiro condenou “os atos de violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás Maduro“.Por volta das 17h, apoiadores de Nicolás Maduro se aglomeraram no lado venezuelano da fronteira. Um guindaste foi levado ao local para hastear a bandeira da Venezuela. Diante da movimentação, manifestantes venezuelanos do lado brasileiro entoaram gritos de “Fora, Maduro” e “Usurpador”. A aglomeração do lado venezuelano começou a se dispersar por volta das 17h40.

  • Reforço na Guarda Nacional e protesto

    Antes do conflito deste domingo, a Guarda Nacional Bolivariana foi reforçada com duas linhas de defesa e veículos blindados.

    Pouco antes do embate, os venezuelanos tentaram atear fogo em pneus e gritaram palavras de ordem contra o governo Maduro. “Não disparem contra o povo venezuelano que quer a libertação de seu país!” gritou uma manifestante. A Guarda Nacional se aproximou do território brasileiro, e o confronto começou posteriormente.

    Pelo menos três bombas de gás lacrimogêneo lançadas pelos militares venezuelanos atingiram o território brasileiro.

    Venezuelanos protestam na fronteira com o Brasil em Pacaraima (RR), neste domingo (24). — Foto: Alan Chaves/G1

    Venezuelanos protestam na fronteira com o Brasil em Pacaraima (RR), neste domingo (24). — Foto: Alan Chaves/G1

    Ambulâncias com feridos

    Durante os protestos dos venezuelanos no início da tarde, uma ambulância com três feridos por arma de fogo vinda da Venezuela entrou em território brasileiro (veja vídeo). As pessoas transportadas não tinham relação com o confronto que ocorreu pouco depois entre o exército da Venezuela e os manifestantes.

    Outra ambulância atravessou a fronteira para o Brasil por volta das 17h30 com três pessoas feridas, segundo o motorista. Não há mais informações sobre as circunstâncias em que elas se machucaram.