Cresce insatisfação com Cuca. Briga pelo título ou tolerância zero

Dirigentes não se conformam com pontos desperdiçados. O inseguro Leco exige briga pelo título. Conselheiros já falam em técnicos estrangeiros

Profunda decepção da diretoria do São Paulo com Cuca.

Pelo planejamento em relação ao Brasileiro, o responsável pelo futebol do clube, contabilizava três vitórias, nove pontos.

Afinal, os adversários eram fracos.

Vasco da Gama, reservas do Grêmio e suplentes do Internacional. Derrota para os cariocas e dois míseros empates.

Nenhum um gol marcado.

O time voltou a mostrar a irritante insegurança, alternando afobação com apatia.

O inseguro presidente Leco foi muito cobrado por conselheiros e dirigentes mais próximos.

Com a checada de Daniel Alves e Juan Fran, a expectativa era ter o clube não só brigando por uma obrigatória vaga na Libertadores de 2020.

Mas pelo título.

O desperdício de sete pontos nestas três partidas foi crucial para afastar a equipe do líder Flamengo.

Já são oito pontos de distância.

O inseguro Leco repassou a cobrança para Raí.

O executivo conversou com Cuca.

Ele alegou os desfalques. Principalmente de Daniel Alves e Antony, cedidos às seleções brasileiras, principal e pré-olímpica.

Há um natural desconforto em relação a Igor Gomes. O meia foi cedido, com a autorização do inseguro Leco, para apenas servir como sparring, completar os treinamentos da Seleção Brasileira nos Estados Unidos. O que inúmeros conselheiros consideraram uma bobagem.

Os contundidos Hernanes, Pato, Pablo e Toró tiveram peso.

Mas não servem como desculpas pelos sete pontos jogados fora.

A verdade é que Cuca precisa saber.

Seu trabalho já é questionado no Morumbi.

Ele estará sob observação até o Brasileiro.

Tem a obrigação de fazer o time brigar pelo título.

Se não conseguir, não começará 2020 no São Paulo.

As experiências do Flamengo com Jorge Jesus e do Santos com Jorge Sampaoli têm pesado.

E o inseguro Leco sente atração forte por treinadores estrangeiros.

Ele quer um título de maneira desesperada.

Desde 2015 comanda o São Paulo.

E o clube, em jejum de conquistas desde 2012, não consegue sequer chegar à uma final, nestes quatro anos da complicada gestão.

Cuca já sentiu.

A empolgação em relação ao seu trabalho sumiu.

Os dirigentes do São Paulo exigem a reação do time.

E luta pelo título nacional.

Classificação para a Pré-Libertadores, por exemplo, seria considerada enorme derrota.

É bom o treinador perceber.

Ver, de verdade, a realidade que o cerca..

Fonte: R7