Aos 15 anos e com 1,92m, filha de ex-jogadora explode como grande promessa do vôlei brasileiro

Melhor ponteira do Mundial Sub-18 e com boa participação no Mundial Sub-20, Ana Cristina é vista como joia a ser trabalhada para os próximos anos: “Eu só vou e dou na bola”

Aos 15 anos, Ana Cristina ainda não se sente à vontade com entrevistas. As palavras se perdem em meio ao jeitão tímido de quem não se acostumou ao posto de grande promessa do vôlei brasileiro. Tudo muda, porém, quando ela entra em quadra.

– Quando eu estou dentro de quadra eu tento esquecer tudo que está do lado de fora. Eu foco mais no momento, em me divertir, fazer o que eu gosto. E dar o meu máximo sempre. Eu tento não sentir muita pressão, tento manter o equilíbrio entre me concentrar, me divertir, mas não me colocar pressão. E dar o meu melhor sempre.

Especificamente no ataque, eu acho que me desafio. Eu gosto muito. Eu só vou e dou na bola, como dizem por aí (risos).

A tática tem dado certo. Nos últimos dois anos, Ana Cristina explodiu como a principal revelação das quadras do país. Filha da ex-ponteira Cecília Menezes, a Ciça, campeã mundial sub-20 na base e com passagem pela seleção adulta e por clubes como Flamengo e Minas, a jovem foi descoberta em uma peneira em São Caetano. Com 1,92m, se alinhou à perfeição com a procura da CBV por jogadoras mais altas. E impressionou.